terça-feira, 27 de agosto de 2013

Açores e Atlântida

Vos quero começar a contar o duvidoso e incerto [descobrimento] destas ilhas, que dias há que são descobertas.
Porque as coisas antigas, de que pela pouca curiosidade dos homens não ficou memória escrita, deram ocasião e causa a muitas opiniões diferentes e a diversos e, às vezes, não acertados pareceres, como são os que se têm destas ilhas dos Açores e, principalmente, destas de S. Miguel e de Santa Maria, de que mais particularmente contar quero, que, por não haver quem disso escrevesse, ainda que algumas coisas contem, é tudo tão   duvidoso que põem grande dificuldade e trabalho ao que quer atinar e acertar com a verdade .
  
Sabei  que destas ilhas dos Açores há duas opiniões :

A primeira é, que muitos disseram e tiveram para si, que foram terra firme, apegadas na parte de Europa pelo cabo que os portugueses a estão mais povoando e cultivando, e que era uma ponta da serra da Estrela que se mete no mar, na vila de Sintra. E, por isso, navegando destas ilhas a Portugal, ordinariamente se vai demandar esta rocha de Sintra, como que a seu todo, por onde quebrou, se vai ajuntar a parte.   Porque dizem que todas as ilhas têm as raízes na terra firme, por muito apartadas que estejam dela, e que doutra maneira, como coisas fundadas no ar, não se sustentariam. E, desta sorte, querem dizer e afirmar que todo este espaço grande (que devia ser terra firme) de Portugal até estas ilhas se subverteu e sumiu nalgum tempo e cobriu das águas do mar, que agora o possui, e ficaram sobre ele levantadas estas ilhas, que, como pedaços daquela grande e antiga terra, sem se sumir escaparam.

A segunda opinião é fundada no que escreve o grave Platão no seu Diálogo de Timeu e Elísio, ao princípio, onde querendo engrandecer os atenienses e como foram tão animosos e venturosos, que em tempos antiquíssimos, de que já não havia memória entre eles, porque havia nove mil anos, haviam subjugado e vencido o povo belicosíssimo da ilha Atlântida, que houvera antigamente no mar Oceano Atlântico  . Conta ali maravilhas Platão daquela ilha  . Dali inferem alguns que estas ilhas dos Açores foram e são uma parte desta Atlântida. A qual diz Platão que era maior que África e Ásia, porque tomava das Colunas de Hércules, que são em Cádis, na boca de estreito, e se estendia por todo este mar do Ocidente até umas ilhas que diz que estão junto de uma terra verdadeiramente firme   a causa dá ele, dizendo que se alagou esta ilha Atlântida por grande sobejidão e correntes de águas, pelo que este mar estava apaulado, e, pela tormenta grande com que se fundiu a Atlântida com tudo o que tinha, ficou tanto lodo e ciscalho nele, que se não podia navegar.

E afirmam alguns, que têm a segunda opinião, que se não navegou dali a muitos tempos e que não com sobejidão das águas aquela ilha se destruiu, mas com terramotos e incêndios e coluviões ou dilúvios da terra, e que, assim, ficaram dela estes pedaços destas ilhas dos Açores sujeitos àquela maldição e trabalho.


O mesmo Platão diz que a Atlântida era fertilíssima, produzia todos os metais em grandíssima abundância, principalmente cobre, e, como estes não se criam senão em terras que têm muita matéria de fogo, como é enxofre, pedra-ume, salitre, e outros minerais menores, claro está que serão sujeitas a terramotos, a incêndios e dilúvios  . E já sabem todos que nesta ilha e nas demais dos Açores há tanto disto, principalmente, de enxofre, de marcassite e de pedra-ume, que, por isso, dizem que bem parecem com a mãe de que procederam.

Nenhum comentário: